Sobre o Curso CORRIDA FBA

 
 

O curso CORRIDA FBA se destina a profissionais das Ciências do Movimento que querem aprender um raciocínio multifatorial baseado em Biologia Evolutiva e nas Neurociências para melhorar a performance e diminuir o risco de lesão de corredores.

Este é um treinamento conduzido por um fisioterapeuta e uma prof. de educação física, ambos com vasta experiência em cuidar de corredores, mas também em correr.

Pensado especialmente para profissionais que já trabalham ou que pretendem trabalhar com corredores, este curso tem como principal objetivo abordar todos os aspectos que envolvem o mundo da corrida, como lesões, biomecânica, tipo de calçado, reeducação do gesto da corrida, entre outros.

Para tal, os facilitadores usam sempre como referência um raciocínio baseado na evolução biológica humana. A partir do entendimento da evolução do nosso cérebro e da movimentação humana, focando obviamente na corrida, propõe-se uma abordagem baseada no movimento, incorporando evidências das Neurociências como uma referência importante para o raciocínio.

Além da Biologia Evolutiva e da Neurociência, propõe-se o uso de uma ferramenta para mapear os principais fatores de risco do atleta, a partir das evidências mais atuais sobre a prevenção de lesão, a fim de que o profissional possa atuar com mais precisão na diminuição do risco de lesão e na saúde do corredor.

Ao mesmo tempo que busca-se passar a noção daquilo que nos fez e nos moldou evolutivamente como grandes corredores, o curso tem a missão de trazer o que a ciência tem de melhor sobre corrida para que o profissional consiga aplicar conhecimento e tecnologia na avaliação e no cuidado do corredor que busca sua ajuda.

Venha se aprofundar em uma visão multidimensional da corrida e melhorar sua atuação profissional. Inscreva-se já em uma de nossas turmas!

Sobre o Curso CORRIDA FBA

 
 

O curso CORRIDA FBA se destina a profissionais das Ciências do Movimento que querem aprender um raciocínio multifatorial baseado em Biologia Evolutiva e nas Neurociências para melhorar a performance e diminuir o risco de lesão de corredores.

Este é um treinamento conduzido por um fisioterapeuta e uma prof. de educação física, ambos com vasta experiência em cuidar de corredores, mas também em correr.

Pensado especialmente para profissionais que já trabalham ou que pretendem trabalhar com corredores, este curso tem como principal objetivo abordar todos os aspectos que envolvem o mundo da corrida, como lesões, biomecânica, tipo de calçado, reeducação do gesto da corrida, entre outros.

Para tal, os facilitadores usam sempre como referência um raciocínio baseado na evolução biológica humana. A partir do entendimento da evolução do nosso cérebro e da movimentação humana, focando obviamente na corrida, propõe-se uma abordagem baseada no movimento, incorporando evidências das Neurociências como uma referência importante para o raciocínio.

Além da Biologia Evolutiva e da Neurociência, propõe-se o uso de uma ferramenta para mapear os principais fatores de risco do atleta, a partir das evidências mais atuais sobre a prevenção de lesão, a fim de que o profissional possa atuar com mais precisão na diminuição do risco de lesão e na saúde do corredor.

Ao mesmo tempo que busca-se passar a noção daquilo que nos fez e nos moldou evolutivamente como grandes corredores, o curso tem a missão de trazer o que a ciência tem de melhor sobre corrida para que o profissional consiga aplicar conhecimento e tecnologia na avaliação e no cuidado do corredor que busca sua ajuda.

Venha se aprofundar em uma visão multidimensional da corrida e melhorar sua atuação profissional. Inscreva-se já em uma de nossas turmas!

 
 
SÃO PAULO | SP
13 e 14 de Abril de 2019.
Clínica Reabilitando - Fisioterapia e Ciência
Rua Apeninos, 400 cj. 1101. Paraiso, São Paulo -SP.


FLORIANÓPOLIS | SC
18 e 19 de Maio de 2019.
BioCore Pilates
Av. Afonso Delambert Neto, 885. Lagoa da Conceição, Florianópolis - SC.


JUIZ DE FORA | MG
1 e 2 de Junho de 2019.
Ed. Lê Quartier
Rua Batista de Oliveira, 1164 - cobertura. Granbery, Juiz de Fora - MG.


RECIFE | PE
27 e 28 de Julho de 2019.
Fisioclínica Physio Center
R. Luiz Guimarães, 153 – Poço da Panela, Recife – PE


INVESTIMENTO
1º lote: até 60 dias antes do curso: R$ 716 à vista ou 4x de R$ 190 (R$ 760)
2º lote: até 30 dias antes do curso: R$ 758 à vista ou 4x de R$ 200 (R$ 800)
3º lote: nos 29 dias que precedem o curso: R$ 800 à vista ou 4x de R$ 210 (R$ 840)
 
 

Detalhes Pedagógicos

1

Ementa

Elucidar a corrida e os problemas do corredor moderno pela perspectiva da evolução humana e das Neurociências, oferecendo um raciocínio multifatorial para melhorar a performance e diminuir o risco de lesão em corredores.
2

Conteúdo Programático

____1. Contextualização de lesões e das ciências da saúde no cuidado do corredor


____2. Biologia evolutiva no raciocínio do profissional do movimento


____3. Introdução a neurociência
__3.1. A origem do cérebro e sua relação com o movimento


____4. Evolução do corpo, cérebro e movimento humano
__4.1. Da grande mudança biomecânica aos dias atuais
__4.2. Desenvolvimento motor infantil e sua relação com a construção do gesto da corrida


____5. Incompatibilidade biológica


____6. Raciocínio multifatorial de lesões na corrida

__6.1. Capacidade de carga dos tecidos
6.1.1. Fatores fisiológicos essências

__6.2. Magnitude da carga
6.2.1. Treinamento
6.2.2. Calçado

__6.3. Distribuição das cargas
6.3.1. Biomecânica da corrida
6.3.2. Controle motor
6.3.3. Mobilidade
6.3.4. Pé humano

____7. Meditação e corrida


____8. Apresentação do programa de monitoramento de controle de lesões


____9. Vivências práticas
__9.1. Movimentação generalista humana
__9.2. Avaliação multifatorial do corredor
__9.3. Técnicas respiratórias e meditação
__9.4. Reeducação do gesto da corrida
3

Sobre os facilitadores

Valéria Duarte Garcia, profissional de Educação Física formada pela UNESP – Bauru. Mestre e doutora em Neurociências e Comportamento pela USP – São Paulo. Atua com corredores há mais de 10 anos, mas a sua experiência pessoal com a corrida começou através do triatlon, logo substituído pelas corridas de rua. Estreou em maratonas em Berlim, 2013, e posteriormente migrou para provas em ambientes naturais, trilha e montanha, de 21 e 42km. Atualmente atua principalmente com análise biomecânica e reeducação do gesto motor da corrida de atletas e iniciantes por meio da movimentação natural e de uma perspectiva evolutiva.

Bruno Mascella Rodrigues, fisioterapeuta formado pela UNIMEP – Piracicaba, pós-graduado em Osteopatia pela Escola de Osteopatia de Madrid. Atua com corredores há mais de 5 anos, com atendimentos focando tratamento e diminuição do risco de lesão. Além de ministrar cursos e palestras por todo o país sobre corrida, também é um praticante apaixonado da modalidade. Entende a corrida como algo maior, como deslocamento humano, correndo de 5km a 60km em ambientes urbanos, de floresta e de montanha.
4

Público Alvo

Profissionais das Ciências do Movimento.

Referências Bibliográficas do Curso:

1

em ordem alfabética

BERTELSEN, M. L., et al. A framework for the etiology of running-related injuries. Scand J Med Sci Sports. 2017.
BITTENCOURT, et al. Complex systems approach for sports injuries: moving from risk factor identification to injury pattern recognition—narrative review and new concept. Br J Sports Med 2016.
Bramble DM, Daniel E. Lieberman DE. Endurance running and the evolution of Homo. Nature, 2004.
BROADHURST ET. AL (1998) Rift Valley lake fish and shellfish provided brain-specific nutrition for early Homo. Br J Nutr. Vol. 79
Carrier. The Advantage of Standing Up to Fight and the Evolution of Habitual Bipedalism in Hominins. PLoS ONE, 2011.
CHEUNG, R. T. et al. Minimalist Running Shoes Increase Intrinsic And Extrinsic Foot Muscle Volume In Habitual Shod Runners. Med Sci Esports Exerc, 2016.
CHRISTOPHER, J. A., KRAN, R. The metabolic cost of human running: is swinging the arms worth it? The Journal of Experimental Biology, 2014.
DALGALARRONGO, P. (2011) Evolução do Cérebro - Sistema Nervoso, Psicologia e Psicopatologia Sob a Perspectiva Evolucionista. Art med
DAVIS, I. S., HANNAH, M. R., WEARING, S. C. Why forefoot striking in minimal shoes might positively change the course of running injuries. JSHS, 2017.
De MARCO, M. A. Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educação permanente. Revista Brasileira de Educação Médica, 2006.
DOBZHANSKY, T. (1973). Nothing in Biology Makes Sense except in the Light of Evolution. National Association of Biology Teachers. Vol. 35.
FLETCHER, J. R. e MACLNTOSH, B. R. Running Economy from a Muscle Energetics Perspective. Frontiers in Physiology, 2017.
FRANCIS, P. et al. The Proportion of Lower Limb Running Injuries by Gender, Anatomical Location and Specific Pathology: A Systematic Review. Journal of Sports Science and Medicine, 2018.
Giuliani J, Masini B, Alitz C, Owens BD. Barefoot-simulating footwear associated with metatarsal stress injury in 2 runners. Orthopedics 2011.
GLUCKMAN, P., HANSON, M. Imcompatibilidade, doenças associadas ao estilo de vida: uma bomba relógio. Editora Atheneu, 2011
Gluckman, P., Hanson, M. Mismatch: why our word no longer fits our bodies. Oxford University Press. 2006.
HALL, J. P. L., et al. The Biomechanical Differences Between Barefoot and Shod Distance Running: A Systematic Review and Preliminary Meta-Analysis. Sports Med, 2013.
HAMILL, J. GRUBER A. H. Is changing footstrike pattern beneficial to runners? JSHS, 2017.
HEIDERSCHEIT, B., WILLE, C., RYAN, M. Effects of step rate manipulation on joint mechanics during running. Sports Medicine, 2011.
HENNEBERG M (1998) Evolution of the human brain: is bigger better?. Clin Exp Pharmacol Physiol. Vol.25
HERCULANO-HOUZEL, S. (2012). The remarkable, yet not extraordinary, human brain as a scaled-up primate brain and its associated cost. PNAS vol.109
HOFMAN, M (2014). Evolution of the human brain: when bigger is better. Front Neuroanat Vol. 8.
HOLLANDER, et al. Growing-up (habitually) barefoot influences the development of foot and arch morphology in children and adolescents. NATURE, 2017.
HOLLANDER, K., et al. Effects of footwear on treadmill running biomechanics in preadolescent children. Gait & Posture, 2014.
HULME, A. et al. Risk and protective factors for middle- and long-distance running-related injury: A systematic review. Sports Medicine, 2016.
HULME, A., et al. From control to causation: Validating a ‘complex systems model’ of running-related injury development and prevention. Applied Ergonomics , 2017
HULME, A., FINCHE C. F. From monocausality to systems thinking: a complementary and alternative conceptual approach for better understanding the development and prevention of sports injury . Injury Epidemiology, 2015.
KANDEL, E. (2014). Princípios de Neurociências. Artmed. 5ª Ed.
Keith L. Moore. Anatomia orientada para clínica. 1991.
KNAPIK, J. L., et al. Injuries and Footwear (Part 2) Minimalist Running Shoes. Journal of Special Operations Medicine, 2016.
LARSON, P. Comparison of foot strike patterns of barefoot and minimally shod runners in a recreational road race. Performance Health Spine and Sport Therapy, 2014.
LENHART, R. L., et al. Increasing Running Step Rate Reduces Patellofemoral Joint Forces. Med Sci Sports Exerc, 2015.
LIEBERMAN, D. E. et al. Variation in Foot Strike Patterns among Habitually Barefoot and Shod Runners in Kenya. PLOS ONE, 2015.
Liebenberg, L. 2006. Persistence Hunting by Modern Hunter Gatherers.Current Anthropology.
Liebenberg, L. 2008. The Relevance of Persistence Hunting to Human Evolution. Journal of Human Evolution.
LIEBERMAN, D. E., et al. Effects of stride frequency and foot position at landing on braking force, hip torque, impact peak force and the metabolic cost of running in humans. The Company of Biologists, 2015.
Lieberman, D. The history of the human body: evolution, health and disease. New York: Pantheon, 2013.
Lieberman, DE e t al . Foot strike patterns and collision forces in habitually barefoot versus shod runners. Nature, 2010.
MATTHEWS ET. AL (2016) Quadrupedal movement training improves markers of cognition and joint repositioning. Hum Mov Sci.Vol. 46.
McCarthy C, Fleming N, Donne B, Blanksby B. 12 weeks of simulated barefoot running changes foot-strike patterns in female runners. Int J Sports Med 2014.
McKEON, P. O., et al. The foot core system: a new paradigm for understanding intrinsic foot muscle function. J Sports Med, 2015.
MOORE, I. S. Is There an Economical Running Technique? A Review of Modifiable Biomechanical Factors Affecting Running Economy. Sports Med , 2016.
NICOLA, T. L., JEWISON, D. J. The anatomy and biomechanics of running. Sports Med, 2012.
NIELSEN, R. O. N., et al. Classifying running-related injuries based upon etiology, with emphasis on volume and pace. The International Journal of Sports Physical Therapy. 2013.
NIGG, B. M. Biomechanics of sports shoes. Footwear Science, 2011.
NOVACHECK, T. F. The biomechanics of running. Gait and Posture, 1998.
PADULO, J., CHAMARI, K., ARDIGO, L. P. Walking and running on treadmill: the standard criteria for kinematics studies. Muscles, Ligaments and Tendons Journal, 2014
PONTZER, H., et al. Control and function of arm swing in human walking and running. The Journal of Experimental Biology, 2009.
RAI. Ker RF, Bennett MB, Bibby SR, Kester RC, Alexander RM. The spring in the arch of the human foot. Nature 1987.
RAICHLEN, A.; ALEXANDER, G. (2017) Adaptive Capacity: An evolutionary-neuroscience model linking exercise, cognition, and brain health. Trends Neurosci Vol. 7
RAICHLEN, D. A., ARMSTRONG, H., LIEBERMAN, D. E. Calcaneus length determines running economy: Implications for endurance running performance in modern humans and Neandertals. Journal of Human Evolution, 2011.
SALZLER, M. J. Injuries observed in a prospective transition from traditional to minimalist footwear: correlation of high impact transient forces and lower injury severity. The Physician and Sportsmedicine. 2016.
SALZLER, M.J. et al. Injuries observed in minimalist runners. Foot Ankle Int, 2012.
SANTURBANO, P. Evolução e movimentação humana: introdução ao raciocínio evolucionário aplicado à saúde e ao movimento. 2017.
SARAGIOTTO, B. T., et al. What are the Main Risk Factors for Running-Related Injuries? Sports Med, 2014.
SARNAT, H. E NETSKY, M. (1985) The Brain of the Planarian as the Ancestor of the Human Brain. The Canadian Journal of Neurological Sciences. V12.
SCHACHE, A. G. et al. The coordinated movement of the lumbo–pelvic–hip complex during running: a literature review. Gait and Posture, 1999.
SCHUBERT, A. G., KEMPF, J., HEIDERSCHEIT, B. C. Influence of Stride Frequency and Length on Running Mechanics: A Systematic Review. Sports Health, 2014.
SCHWARTZ, A . (2016) . Movement: How the Brain Communicates with the World. Cell. Vol. 6
SHU, Y., et al. Foot Morphological Difference between Habitually Shod and Unshod Runners. PLOS ONE, 2015.
SOCKOL, M. D., RAICHLEN, D. A., PONTZER, H. Chimpanzee locomotor energetics and the origin of human bipedalism. PNAS, 2007.
SOUZA, R. B. An Evidence-Based Videotaped Running Biomechanics Analysis. Phys Med Rehabil Clin N Am, 2016.
STEARNE, S. M. et al. The Foot’s Arch and the Energetics of Human Locomotion. Scientific Reports, 2016.
SUEKI, D. G., CLELAND, J. A., WAINNER, R. S. A regional interdependence model of musculoskeletal dysfunction: research, mechanisms, and clinical implications. Journal of Manual and Manipulative Therapy, 2013.
THOMPSON, M., SEEGMILLER, J., McCOWAN, C. P. Impact Accelerations of Barefoot and Shod Running. Sports Med, 2016.
VAN de WORP, et al. Injuries in Runners; A Systematic Reviewon Risk Factors and Sex Differences. One Plos. 2015
VAN GENT, et al. Incidence and determinants of lower extremity runningin juries in long distance runners: a systematic review. Bj Sport Med, 2012.
VAUGHAN, C. L. Theories of bipedal walking: an odyssey. Journal of Biomechanics, 2003.
VERNILLO, G. et al. Biomechanics and Physiology of Uphill and Downhill Running. Sports Med, 2017.
VIDEBACK, S., BUENO, A. M., NIELSEN, R. O., RASMUSSEN, S. Incidence of Running-Related Injuries Per 1000 h of running in Different Types of Runners: A Systematic Review and Meta-Analysis. Sports Med, 2015.
Warne JP, Kilduff SM, Gregan BC, Nevill AM, Moran KA, Warrington GD. A 4-week instructed minimalist running transition and gait-retraining changes plantar pressure and force. Scand J Med Sci Sports 2014.
WEGENER, C., et al. Effect of children’s shoes on gait: a systematic review and meta-analysis. Journal of Foot and Ankle Research, 2011.