Sobre o Curso Livre de Corrida Ancestral

 
 

O curso de Corrida Ancestral é um compilado rigoroso de revisão científica, de observação em campo e de prática, a fim de determinar a aproximação mais fidedigna possível de uma técnica natural de corrida.

Tal modo de correr procura ter a menor influência praticável de fatores culturais, afastando-se, deste modo, do uso equivocado de tecnologias e de fenômenos mercadológicos. Uma vez que tais facetas contemporâneas podem atrapalhar mais do que facilitar o desenvolvimento natural da técnica de corrida, ao contrário do senso comum. A interação de todos esses fatores pode ainda resultar em um desempenho abaixo do potencial natural humano, além de maior exposição a lesões.

Ao incluir novos campos de conhecimento científico, como a Biologia Evolutiva e a Antropologia, pode-se enxergar mais à frente do que outros paradigmas vigentes, como o da corrida industrializada, como costumamos chamar, e de conceitos como barefoot running (corrida descalça), corrida natural ou corrida minimalista. Por isso a distinção na nomenclatura: Corrida Ancestral.

Nosso curso foi pensado para profissionais das Ciências do Movimento, profissionais de Educação Física e fisioterapeutas, que atuam com corredores e também para corredores(as) que desejam aprimorar seu conhecimento e técnica. Em suma nossa proposta foca em ensinar uma técnica que prioriza a melhor utilização do corpo pelo prisma da evolução humana. Como consequência o(a) corredor(a) ainda pode reduzir as chances de lesão e aumentar seu desempenho.

Além da abordagem evolutiva para o estudo da cinesiologia da corrida, oferecemos também uma ferramenta que diferencia a atuação do profissional: a avaliação biomecânica da corrida. Esse é um instrumento rico para análise do gesto do seu paciente/cliente/aluno que pode ser utilizado como parâmetro para a reeducação e a melhora da biomecânica da corrida, ou caso você seja corredor(a), conhecer e desenvolver melhor o seu potencial.

Garanta sua vaga e entenda o que é ser humano e como correr como tal!

Sobre o Curso Livre de Corrida Ancestral

 
 

O curso de Corrida Ancestral é um compilado rigoroso de revisão científica, de observação em campo e de prática, a fim de determinar a aproximação mais fidedigna possível de uma técnica natural de corrida.

Tal modo de correr procura ter a menor influência praticável de fatores culturais, afastando-se, deste modo, do uso equivocado de tecnologias e de fenômenos mercadológicos. Uma vez que tais facetas contemporâneas podem atrapalhar mais do que facilitar o desenvolvimento natural da técnica de corrida, ao contrário do senso comum. A interação de todos esses fatores pode ainda resultar em um desempenho abaixo do potencial natural humano, além de maior exposição a lesões.

Ao incluir novos campos de conhecimento científico, como a Biologia Evolutiva e a Antropologia, pode-se enxergar mais à frente do que outros paradigmas vigentes, como o da corrida industrializada, como costumamos chamar, e de conceitos como barefoot running (corrida descalça), corrida natural ou corrida minimalista. Por isso a distinção na nomenclatura: Corrida Ancestral.

Nosso curso foi pensado para profissionais das Ciências do Movimento, profissionais de Educação Física e fisioterapeutas, que atuam com corredores e também para corredores(as) que desejam aprimorar seu conhecimento e técnica. Em suma nossa proposta foca em ensinar uma técnica que prioriza a melhor utilização do corpo pelo prisma da evolução humana. Como consequência o(a) corredor(a) ainda pode reduzir as chances de lesão e aumentar seu desempenho.

Além da abordagem evolutiva para o estudo da cinesiologia da corrida, oferecemos também uma ferramenta que diferencia a atuação do profissional: a avaliação biomecânica da corrida. Esse é um instrumento rico para análise do gesto do seu paciente/cliente/aluno que pode ser utilizado como parâmetro para a reeducação e a melhora da biomecânica da corrida, ou caso você seja corredor(a), conhecer e desenvolver melhor o seu potencial.

Venha entender o que é ser humano e correr como tal!

Detalhes Pedagógicos

1

Ementa

Elucidar a evolução de humanos através das adaptações à corrida, a fim de compreender as forças evolutivas por trás da anatomia e biomecânica do humano moderno e, principalmente, como o conflito do corpo com o meio de vida contemporâneo, a técnica de corrida industrializada e o mau uso de tecnologias geram as lesões e comprometem o desempenho, além de capacitar os profissionais através de análise cinemática da corrida, identificar e desconstruir padrão industrializado em corredores e prescrever uma transição segura da técnica ancestral.
2

Conteúdo Programático

- Introdução e apresentação;
- Visão bio antropológica e noções de evolução;
- O que é Corrida Ancestral?
- Ambiente antropogênico e incompatibilidade biológica;
- Corrida Industrializada e seu panorama atual (lesão e desempenho);
- A corrida deve ser observada como uma ação cíclica? (trail running);
- Ponto cego da ciência da “Corrida Industrializada”: EVOLUÇÃO / contraponto morfologia vs. engenharia;
- Homo corredoris: características anatomo-fisiológicas;
- A Origem do Mal: a história da corrida industrializada;
- Somos, mas não estamos corredores naturais;
- Biomecânica da corrida (procedimentos / coleta de imagens / software);
- Biomecânica da corrida (avaliação qualitativa);
- Aprendizagem biológica primária e secundária e psicologia evolucionista;
- Ontogenia;
- Intervenção na biomecânica da corrida (desconstrução e reconstrução);
- Ontogenia, aplicação prática;
- Técnica da corrida ancestral.
3

Áreas do Conhecimento (CNPq)

7.03.00.00-3 Antropologia.
4.09.00.00-2 Educação Física.
4.08.00.00-8 Fisioterapia e Terapia Ocupacional.
4

Público Alvo

Corredores, Treinadores de corrida e Profissionais das Ciências do Movimento.

Referências Bibliográficas do Curso:

1

em ordem alfabética

Blechschmidth E. The Ontogenetic Basis of Human Anatomy: A Biodynamic Approach to Development from Conception to Birth. 1ªed. North Antlantic, 2004.

Bertazzo, I. Corpo vivo : reeducação do movimento. Edições SESC: São Paulo, 2010.

Béziers, M. O bebê e a coordenação motora . São Paulo, Summus, 1994.

Bramble DM, Daniel E. Lieberman DE. Endurance running and the evolution of Homo Nature 432, 345-352 (18 November 2004) |doi:10.1038/nature03052.

Carrier DR. The energetic paradox of human running and hominid evolution. Current Anthropology; 25(4) Aug-Oct, 1984.

Carrier DR, Morgan MH. Protective buttressing of the hominin face. Biol. Rev. (2015), 90, pp. 330–346. 330 doi: 10.1111/brv.12112.

Carrier. The Advantage of Standing Up to Fight and the Evolution of Habitual Bipedalism in Hominins. PLoS ONE, 2011.

Kraus, K, Schutz, E, Taylor, WR, and Doyscher, R. Efficacy of the functional movement screen: a review. J Strength Cond Res 28(12): 3571–3584, 2014.

Darwin C. The Origin of Species. 6ª edição, 1872. In: Ridley M. Evolution. 3ª edição. Blackwell, 2004.

Darwin C. A Origem das Espécies. 6ª edição. Ediouro Publicações, 2004.

Dawkins, R. A magia da realidade . São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Dawkins, R. O maior espetáculo da Terra : as evidências da evolução. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

Dawkins, R. A grande história da evolução . São Paulo: Companhia das letras, 2009.

DenysStruyf, G. Cadeias musculares e articulares : o método G.D.S. São Paulo: Summus; 1995.

Diamond J. O terceiro chimpanzé, 2012.

Durant J. The paleo manifesto: ancient wisdom for lifelong health. New York: Harmony Books, 2013.

Filho, RB; Almeida, SJA. Locomoção humana: diretrizes terapêuticas com base nos conhecimentos evolutivos. A rq Ciênc Saúde; 11(2), 2004.

Fonseca, V. Psicomotricidade : filogênese, ontogênese e retrogênese. Rio de Janeiro: Wak, 2009.

Gama, M. C. S. S. I nteligências múltiplas e suas implicações para a educação.

homemdemello.com.br. [Online] 1998. [Cited: abril 25, 2012.] http://www.homemdemello.com.br/psicologia/intelmult.html.

Gardner, H. Frames of Mind . New York : Basic Book Inc., 1985.

Gluckman P, Hanson M. Mismatch: why our world no longer fits our bodies. Oxford University Press, 2008.

Gluckman P, Beedle A, Hanson M. Principles of Evolutionary Medicine. Oxford University Press, 2009.

Gokhale E. 8 Steps to a Pain-Free Back. Natural posture solutions for pain in the back, neck, shoulder, hip, knee, and foot. 2008.

Gracovetsky AS, lacono S. Energy transfers in the spinal engine. J. Biomed. Eng.; 9, April, 1987.

Gurven M, Kaplan H. Longevity Among Hunter-Gatherers: A Cross-Cultural Examination. Population and Development Review; 33(2):321-365, 2007.

Hall, BK. Fins to limbs : evolution, development and transformation. Chicago: University of Chicago Press, 2007.

Hartmann H, Wirth K, Klusemann M. Analysis of the Load on the Knee Joint and Vertebral Column with Changes in Squatting Depth and Weight Load. Sports Med. 2013 Oct;43(10):9931008.doi: 10.1007/s4027901300736.

Iunes DH e t al . Análise da postura craniocervical em pacientes com disfunção temporomandibular. R ev Bras Fisioter; 13(1):8995, 2009.

Kapandji, AI. Fisiologia articular volume 1 : membros superiores. São Paulo: Panamericana, 5ª Ed., 2000.

Kapandji, AI. Fisiologia articular volume 2 : membros inferiores. São Paulo: Panamericana, 5ª Ed., 2000.

Kapandji, AI. Fisiologia articular volume 3 : tronco e coluna vertebral. São Paulo: Panamericana, 5ª Ed., 2000.

Kardong KV. Vertebrados: anatomia comparada, função e evolução. Quinta edição, São Paulo: Roca, 2010.

Kemp, TS. The Origin and Evolution of Mammals . Oxford: Oxford University Press, 2005.

Klein, R. O despertar da cultura . Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

Kokkinos, P. Cardiorespiratory Fitness, Exercise, and Blood Pressure. Hypertension. 2014 Dec;64(6):1160-4. doi:10.1161/HYPERTENSIONAHA.114.03616.

Kraft, T.S., et al., A natural history of human tree climbing, Journal of Human Evolution (2014), http://dx.doi.org/10.1016/j.jhevol.2014.02.002

Lewin, R. Human evolution : an illustrated introduction. Australia: Blackweel, 2005.

Lieberman, DE e t al . Foot strike patterns and collision forces in habitually barefoot versus shod runners. N ature; 463(28), January, 2010.

Lieberman, D. The evolution of the human head. Harvard University Press, 2011.

Lieberman, D. The history of the human body: evolution, health and disease. New York: Pantheon, 2013.

Liebenberg, L. The Art of Tracking, the Origin of Science, 1990.

Liebenberg, L. 2006. Persistence Hunting by Modern HunterGatherers.

Current Anthropology. 47, 1017–1025.

Liebenberg, L. 2008. The Relevance of Persistence Hunting to Human Evolution. Journal of Human Evolution. 55, 11561159.

Lovejoy, CO et al . Reexamining Human Origins in Light of Ardipithecus ramidus. Science; 326, 74, 2009.

Lyndsay M, Robertson C. Fascia: clinical applications for health and human performance. 2008.

Manhães, F. C. and M., Souza C. H. A estimulação da inteligência corporal cinestésica no desenvolvimento psicomotor na prática da Educação física. Tese, Mestrado. 2008.

McDougall C. Nascido para correr. Globo, 2010.

Melis AP, Semmann D.How is human cooperation different? Phil. Trans. R. Soc. B (2010) 365, 2663–2674 doi:10.1098/rstb.2010.0157.

Mello, LG. Antropologia cultural . Petrópolis: Vozes, 2008.

Meyer, PF; Costa, ICC; Gico, VV. Ciências sociais e Fisioterapia: uma aproximação possível. H istória, Ciências, Saúde – Manguinhos ; 13(4):87790, 2006.

Morgan MH, Carrier DR. Protective buttressing of the human fist and the evolution of hominin hands. The Journal of Experimental Biology 216, 236244, 2013.

Moore, KL, Persaud, TVN, Torchia MG. The Developing Human Clinically Oriented Embryology. 9th Edition. Elsevier, 2013.

Moore, KL; Persaud, TVN. Embriologia Básica . Elsevier, 2008.

Murray CJ, Vos T, Lozano R, et al. Disability-adjusted life years (DALYs) for 291 diseases and injuries in 21 regions, 1990e2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet 2013;380:2197e223.

Myers, T. Kinesthetic dystonia: what bodywork can offer a new physical education. J ournal of Bodywork and Movement Therapies ; 2(2):10114, 1998.

Myers, T. Kinesthetic quotient . Internet: http://www.anatomytrains.com/explore/kq acessado em dezembro de 2011, 2005.

Myers, T. Trilhos anatômicos : meridianos miofasciais para terapeutas manuais e do movimento. Barueri: Manole, 2003.

Nesse, RM. How is Darwinian medicine useful? West J Med ; 174:35860, 2001.

Neumann DA. Cinesiologia do aparelho musculoesqueléticos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

O’Keefe et al. Organic Fitness: Physical Activity Consistent With Our Hunter-gatherer Heritage. The Physician And Sports Medicine, 4(38); 2010.

O'Keefe JH, Vogel R, Lavie CJ, Cordain L. Exercise Like a Hunter-Gatherer: A Prescription for Organic Physical Fitness. Progress in Cardiovascular Diseases 53 (2011) 471–479.

Oliver WJ, Cohen EL, Neel JV. Blood pressure, sodium intake, and sodium related hormones in the Yanomamo. Circulation, 52:146-151, 1975.

Paciornik M. Aprenda a viver com os índios: o parto de cócoras, desempenho sexual, ginástica índia, comer e descomer. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1987.

Peel JB, Sui X, Adams SA, Hebert JR, Hardin JW, Blair SN (2009) A prospective study of cardiorespiratory fitness and breast cancer mortality.

Med Sci Sports Exerc 41(4):742–748. doi:10.1249/MSS.0b013e31818edac7 Pinhasi R, Eshed V, von Cramon-Taubadel N. Incongruity between Affinity Patterns Based on Mandibular and Lower Dental Dimensions following the Transition to Agriculture in the Near East, Anatolia and Europe. PLoS ONE 10(2):e0117301, 2015. doi:10.1371/journal.pone.0117301

Piret S, Béziers MM. A coordenação motora: aspecto mecânico da organização psicomotora do homem. São Paulo: Summus, 1992.

Pojeta, J; Springer, DA. Evolution and the fossil Record . American Geological Institute, 2001.

Preuschoft, H. Mechanisms for the acquisition of habitual bipedality: are there biomechanical reasons for the acquisition of upright bipedal posture? Journal of Anatomy; 204:36384, 2004.

Pribram KH. What makes humanity humane. Journal of Biomedical Discovery and Collaboration ; 1(14), 2006.

Punnett, L; Wegman, D. Workrelated musculoskeletal disorders: the epidemiologic evidence and the debate. J ournal of Electromyography and Kinesiology; 14:1323, 2004.

Speerin R et al. Moving from evidence to practice: Models of care for the prevention and management of musculoskeletal conditions Best Practice & Research Clinical Rheumatology 28 (2014) 479e515

Ridley M. Evolution. 3ª edição. Blackwell, 2004.

Roberts, TJ; Azizi, E. Flexible mechanisms: the diverse roles of biological springs in vertebrate movement. T he Journal of Experimental Biology ; 214:35361, 2011.

Roach NT, Venkadesan M, Rainbow MJ, Lieberman DE. Elastic energy storage in the shoulder and the evolution of highspeed throwing in Homo. Nature. 2013 Jun 27;498(7455):4836. doi: 10.1038/nature12267.

Salmória, JG; Camargo, WA. Uma Aproximação dos Signos: Fisioterapia e Saúde aos Aspectos Humanos e Sociais. S aúde Soc.; 17(1):7384, 2008.

Santos, A. A biomecânica da coordenação motora . São Paulo: Summus, 2002.

Thompson, E. Adding Sensory Education to Physical Education. Our Town Brookline ; November, 2007.

Valentin, B. Autobiografia de um bípede : as cadeias musculares e articulares – método GDS. Florianópolis: Insular, 2009.

Van de Graaff, KM. Anatomia humana . 6ª ed. São Paulo: Manole, 2003.

Venkataramana, VV, Krafta, TS, Dominya NJ. Tree climbing and human evolution. PNAS; 110(4):12371242, 2013.

Vos T, Flaxman AD, Naghavi M, et al. Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990e2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet 2013;380:2163e96.

Wilson EO. The Social Conquest of Earth, 2013, Liveright Publishing Corporation, New York, ISBN 0871403633 Yap, E. Myofascial Pain – An Overview. Ann Acad Med Singapore; 36:438, 2007.

_. Sitting-rising test predictive of all-cause mortality. J Gerontol Nurs. 2013 Feb;39(2):8-9.

_. Becoming Human: evolution and the rise of inteligence (Especial edition). Scientific American ; 16(2), 2006.

_. Evolution (Exlusive online issue). Scientific American; 28, 2006.

_. Human evolution: the ten biggest questions. NewScientist ; 213(2857), 2012.

_. New look at human evolution (Especial edition). Scientific American; 13(2), 2003.