A Ciência Pelo Olhar de Um Canino | Os Limites da Ciência

Humanos são definidos pela inteligência.

Porém quando falamos de diferenças entre espécies de mamíferos não existem diferenças genotípicas absurdas, entretanto, a capacidade mental humana é algo que se sobressai, principalmente aspectos como abstração, raciocínio lógico, introspecção.

Nosso limite mental é bem maior que o de outras espécies, mas se este limite existe em outras espécies, possivelmente existe na nossa também. E agora? Até onde podemos ir visto este limite biológico?

Assista a mais este vídeo de Jonas Magnabosco!

[embedyt] //www.youtube.com/watch?v=1l6dryGA8Hc[/embedyt]

1 Comment

  1. Maria Petronilho disse:

    Falo em meu nome e no das pessoas que trabalharam comigo, durante quase toda a vida, na que era a maior empresa pública do meu país – Correios, Telégrafos e Telefones de Portugal.
    Curso e estágio especializados, pagos pela empresa, denominada genericamente por CTT.
    Péssimas condições de trabalho, 42 horas por semana, instrumentos de trabalho obsoletos: traumas centenas de vezes repetidos, dia após dia, meses e anos….Todos referiam intensas dores torácicas, entre escapulas e ombro direito.
    Comecei a trabalhar aos 19 anos. Estou agora aposentada e tenho 66.
    Queixo-me de dor intensa, no local atrás referido – junção vertebral entre escapulas, pescoço, cabeça e ombro direitos, que tem vindo a piorar e agora se estende aos músculos sobre as costelas inferiores do lado esquerdo.
    Pelo tipo de dor ardente parece inflamação, crónica e constante, que não se desvanece com a toma, 3×dia, de Zilpen (75mg de cloridrato de tramadol+650mg Paracetamol, comprimidos).
    Sempre fiz exercício físico e tive hábitos de vida saudáveis, portanto conservo todos os movimentos e, apesar da inflamação e da idade, mantenho força muscular.
    Por mais que refira estes dados, depois de RM e ECO das partes moles, foi -me diagnosticada uma tendinite no ombro, sem outro tratamento além do analgésico referido.
    Foi com agrado que tomei conhecimento do vosso estudo.
    Precisamos que se desenvolva, assim como formas de tratar esta incapacitante doença!
    Como acima referi, falo em nome de toda uma classe laboral, da minha geração, de gerações anteriores e das que se seguiram.
    Actualmente o trabalho está mais leve, informatizado, as cadeiras mudaram, mas os tradicionais carimbos de ferro e madeira, pesando perto de 500g, que devem assentar sobre selos e documentos com uma pancada seca, afim de que as datas e locais fiquem legíveis, ainda existem, apesar de serem menos utilizados.
    Quero receber cópia deste comentário/depoimento é acompanhar o vosso estudo.
    Escrevo num tablet, pois o uso do computador me é nterdito, pelas dores que relatei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *