Sobre árvores, desenvolvimento e movimentação

Você sabia que as árvores são moldadas pelo vento? A direção e a intensidade do vento (assim como a incidência de luz solar) que determina o crescimento do tronco e dos galhos, inclusive os ângulos que esses se dispõem.


Do mesmo modo que o formato da árvore está totalmente relacionado com as cargas que ela recebe ao longo do seu desenvolvimento, a forma que o nosso corpo tem e o modo que nos movimentamos foram totalmente influenciados pelas cargas impostas ao organismo no decorrer da nossa vida.

Independente da nossa vontade nosso corpo está exposto a cargas 100% do tempo. Quando movimentamos isso fica mais evidente, a contração de um músculo pode gerar tensão em algumas estruturas ou o impacto de uma atividade pode gerar compressão em outras, contudo inclusive quando estamos supostamente em repouso as cargas continuam atuando e moldando o modo como nosso corpo se estrutura e, consequentemente, modo como nos movimentamos.

Assista à videoaula sobre esse tema

Na verdade, há um campo de estudo chamado mecanobiologia, que se propõe a entender como forças e mudanças físicas nas células e tecidos orgânicos contribuem para o nosso desenvolvimento, nossa fisiologia e as doenças que nos afligem. Ao processo pelo qual nossas células sentem e respondem aos sinais mecânicos dá-se o nome de mecanotransdução. Talvez entre os profissionais da área da saúde o princípio de Julian Wolff sobre como os ossos se formam e se remodelam seja o mais conhecido. Contudo essa remodelação estrutural acontece não só no osso, mas por todo tecido conjuntivo.

Sua estrutura e seus movimentos são resultado do modo como você se movimentou ou deixou de se movimentar no decorrer de toda a sua vida. Imagine um corpo feito de argila e cada carga imposta nesse corpo influencia sua forma. Essas cargas variam de acordo com o tipo, a intensidade e a frequência de cada movimento feito. Submeta mentalmente esse corpo a todas as cargas que você já sofreu no decorrer da sua vida, desde seu desenvolvimento enquanto bebê, criança e adolescente, até as suas atividades favoritas (que não precisam ser necessariamente atividades físicas, ficar sentado no sofá, induz cargas ao seu corpo que irão moldá-lo de algum modo), passando também pelos seus acidentes, pelas lesões esportivas, sua escrivaninha na escola, seu sofá predileto, a postura que costuma dirigir etc. Todas essas cargas moldaram seu corpo argiloso e o resultado de tudo isso é o corpo e os padrões de movimento que você tem hoje.

Se você nasceu numa cultura ocidental civilizada é possível que a história a seguir reflita bem seu histórico biomecânico.

    • Nascido num hospital você foi levado para casa num bebê conforto no banco de trás de um carro.
    • Praticamente os primeiros seis meses da sua vida você passou deitado dentro de casa.
    • Quando ia ao ar livre era levado tipicamente deitado num carrinho ou algo parecido.
    • Muitos objetos coloridos e barulhentos são dados a você, o que leva com que a sua motricidade fina seja bastante desenvolvida.
    • Por você ter ficado “pesado demais” para ser carregado ou então difícil de ser contido é possível que você tenha passado bastante tempo no berço ou em “chiqueirinhos”, mesmo quando não estava dormindo.
    • Você não é colocado de pé por alguém, porque dizem que isso pode deixar a criança com as pernas tortas, pode ser que você tenha feito uso de andadores o de outros dispositivos para ficar de pé.
    • Quando você começou a sentar passou a usar utensílios similares às cadeiras dos adultos, quando começou a andar passou a usar calçados para sustentar seus pés.
    • A caminhada virou uma corrida desajeitada, provavelmente porque as fraldas separam suas pernas.
    • Quando você começou a frequentar a escola você passou a se sentar em cadeirinhas, apesar de isso não fazer parte da sua natureza de criança (você, inclusive, pode ter lutado contra isso) depois de alguns anos essa foi a sua habilidade motora mais praticada.
    • Conforme você se torna adolescente, seu tempo de brincar foi sendo substituído por saídas com os amigos, nas quais possivelmente você assistia filmes, conversava ou fazia outras atividades que exigiam pouco esforço físico.
    • Movimentos mais intensos como as aulas de educação física, esportes ou dança se restringem a poucas horas por dia.
    • Quando adulto você se torna um expert em sentar. Cadeira e computador são suas tarefas mais realizadas antes, durante e depois do trabalho.
    • É possível que você dirija para quase qualquer lugar, que seus pés passem o dia inteiro dentro de calçados e faça uso de alguns recursos tecnológicos (como analgésicos, sessões de massagem ou de Fisioterapia) para amenizar uma ou mais dores musculoesqueléticas, que provavelmente é na região lombar.
    • Se você faz parte do grupo de pessoas que se exercita, é possível que você se movimente entre três ou quatro dias por semana por aproximadamente 45 minutos com maquinário e movimentos repetitivos.

Experimentamos cargas totalmente diferentes daquelas que nossos ancestrais experimentavam há cem, mil, cem mil anos e temos uma série de problemas musculoesqueléticos associados a um ambiente mecânico inapropriado. Muitas doenças musculoesqueléticas podem ser simplesmente doenças de mecanotransdução, como por exemplo a osteoartrose e a osteoporose.

Assim para termos saúde precisamos entender que não basta fazer exercícios, precisamos gerar cargas em nossos corpos mais condizentes com a nossa natureza. Precisamos inserir mais movimentação e movimentação de qualidade no nosso dia-a-dia. Da mesma forma que deveríamos procurar ingerir comidas saudáveis, deveríamos pensar em movimentos saudáveis.

Do mesmo modo que não adianta cumprir sua demanda energética ingerindo 2.000 kcal de qualquer alimento, não deveria ser suficiente cumprir uma quota de exercício físico realizando qualquer tipo de movimento. Alimento e movimento são situações análogas e interdependentes. A qualidade dos nutrientes e cargas são preocupações que devemos ter para termos um corpo saudável metabolicamente e musculoesqueticamente.

Este texto foi uma interpretação livre baseada nos capítulos II e III do livro “Move your DNA” de Katy Bowman sem tradução para o português.

Bowman K. Move your DNA: restore your health through natural movement. First printing – United States of America, 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *