Curso Somatovisceral FBA

 

Autor e Facilitador: Paulo Bastos


Aborda a importância da alimentação, da digestão e da movimentação para o ser humano e o quanto estas funções essenciais estão perdendo espaço nas sociedades tecnologicamente mais desenvolvidas.

Diante da atual situação de calamidade, o curso propõe uma recontagem de toda a história evolutiva da espécie humana (iniciando desde o ancestral comum com o peixe ósseo, passando pelos anfíbios, répteis, mamíferos, chegando aos primatas e às diferenciações a partir do gênero Homo), focando no desenvolvimento dos sistemas digestório e musculoesquelético, a fim de mostrar o quanto alimentação e movimentação sempre estiveram diretamente relacionados dependentes.

Em seguida, serão exploradas as maneiras como o sistema visceral (principalmente o digestório) é capaz de influenciar o sistema somático (principalmente o musculoesquelético), causando disfunções musculoesqueléticas consequentes. Para isso, são utilizadas apenas informações de cunho científico criterioso, as quais são embasadas por estudos de vários campos, mas principalmente da gastroenterologia.

Após este entendimento, o curso propõe toda uma gama de possibilidades terapêuticas para as alterações. O tratamento se baseia em condutas já utilizadas no campo da gastroenterologia com o objetivo de corrigir as alterações digestórias através de exercícios (além das condutas tradicionais, são propostas várias adaptações embasadas em exercícios que exploram os padrões de desenvolvimento ontogenético), possibilitando ao fisioterapeuta a inserção em um grande campo de atuação.


Curso Somatovisceral FBA

 
 

Autor e Facilitador: Paulo Bastos


Aborda a importância da alimentação, da digestão e da movimentação para o ser humano e o quanto estas funções essenciais estão perdendo espaço nas sociedades tecnologicamente mais desenvolvidas.

Diante da atual situação de calamidade, o curso propõe uma recontagem de toda a história evolutiva da espécie humana (iniciando desde o ancestral comum com o peixe ósseo, passando pelos anfíbios, répteis, mamíferos, chegando aos primatas e às diferenciações a partir do gênero Homo), focando no desenvolvimento dos sistemas digestório e musculoesquelético, a fim de mostrar o quanto alimentação e movimentação sempre estiveram diretamente relacionados dependentes.

Em seguida, serão exploradas as maneiras como o sistema visceral (principalmente o digestório) é capaz de influenciar o sistema somático (principalmente o musculoesquelético), causando disfunções musculoesqueléticas consequentes. Para isso, são utilizadas apenas informações de cunho científico criterioso, as quais são embasadas por estudos de vários campos, mas principalmente da gastroenterologia.

Após este entendimento, o curso propõe toda uma gama de possibilidades terapêuticas para as alterações. O tratamento se baseia em condutas já utilizadas no campo da gastroenterologia com o objetivo de corrigir as alterações digestórias através de exercícios (além das condutas tradicionais, são propostas várias adaptações embasadas em exercícios que exploram os padrões de desenvolvimento ontogenético), possibilitando ao fisioterapeuta a inserção em um grande campo de atuação.



Detalhes Pedagógicos

1

Ementa

Elucidar a evolução dos sistemas visceral e somático na espécie humana, evidenciando a íntima relação entre digestão e movimentação, a fim de explorar as influências de disfunções viscerais (principalmente digestórias) sobre algumas afecções do sistema musculoesquelético.
2

Conteúdo programático

1 Introdução – Evolução como guia entre digestão e movimento
1.1 Conceitos básicos de evolução biológica
1.2 Filogenia dos sistemas digestório e musculoesquelético humanos
1.3 O Homo Sapiens e suas características somatoviscerais específicas
1.4 A embriologia que recapitula a filogenia do sistema digestório humano

2 Doenças gastrointestinais
2.1 Conceituação das doenças gastrointestinais funcionais
2.2 Possíveis contribuições nas doenças gastrointestinais

3 Alimentação, microbioma e movimento
3.1 Alimentação determinando o movimento - período paleolítico e caçadores-coletores atuais
3.2 Obesidade e intolerâncias alimentares influenciando no movimento
3.3 Microbiota intestinal e evolução humana
3.4 Microbioma, saúde e doenças

4 Influências viscerais sobre o movimento
4.1 Sistema Nervoso Visceral sob o modo de vida caçador-coletor
4.2 Neurofisiologia da dor visceral referida
4.3 Influências da dor visceral referida e sensibilização central no movimento
4.4 Prática de movimentação natural

5 Síntese das influências somatoviscerais
5.1 Avaliação de influências somatoviscerais no movimento
5.2 Elaboração e discussão de casos
5.3 Conclusões
3

Áreas do Conhecimento (CNPq)

2.01.00.00-0 Biologia
2.07.02.06-0 Fisiologia da Digestão
4.08.00.00-8 Fisioterapia e Terapia Ocupacional
4

Público Alvo

Fisioterapeutas e estudantes do último ano.

Referências Bibliográficas

1em ordem alfabética

Accarino A, Perez F, Azpiroz F, Quiroga S, Malagelada JR. Abdominal Distention Results From Caudo-ventral Redistribution of Contents. Gastroenterology, 136(5):1544–51, 2009.

Aiello, L.; Dean, C. An Introduction to human evolutionary anatomy. Academic Press: London, 1996. Pp. 259.

Beach P. Muscles and Meridians. Elsevier, 2010.

Blechschmidth, E. The Ontogenetic Basis of Human Anatomy: A Biodynamic Approach to Development from Conception to Birth. 1ª ed. North Antlantic, 2004.

Bobath, B. Motor development, its effect on general development, and application to the treatment of cerebral palsy. Physiotherapy. 1971 Nov 10;57(11):526-32.

Bramble, D. M.; Lieberman, D. E. Endurance running and the evolution of Homo. Nature 432:345-352, 2004. doi:10.1038/nature03052

Burri E, Cisternas D, Villoria A, Accarino A, Soldevilla A, Malagelada JR, et al. Accommodation of the abdomen to its content: Integrated abdomino-thoracic response. Neurogastroenterol Motil. 2012;24(4):312–8.

Busquet-Vanderheyden, M. As Cadeias Fisiológicas – A cadeia visceral abdome / pelve. Barueri: Manole, 2ª edição, 2009.

Carlson BM. Human Embryology and Developmental Biology, 5th edition. Philadelphia: Elsevier, 2014.

Cordain, L. La Dieta Paleolítica. Barcelona: Ediciones Urano, 2011.

Darwin, C. The Origin of Species. 6ª edição, 1872. In: Darwin C. A Origem das Espécies. 6ª edição. Ediouro Publicações, 2004.

Dawkins, R. A grande história da evolução. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

Durant J. The paleo manifesto: ancient wisdom for lifelong health. New York: Harmony Books, 2013.

Frank C, Kobesova A, Kolar P. Dynamic neuromuscular stabilization & sports rehabilitation. Int J Sports Phys Ther, 8(1):62–73, 2013.

Guyton, A. C.; Hall, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. Elsevier, 12ª edição, 2011.

Harari, Y. N. Sapiens - uma breve história da humanidade. L&PM Editores, 9ª edição, Porto Alegre, 2016.

Hodges, P. W.; Richardson, C. A.: Inefficient muscular stabilization of the lumbar spine associated with low back pain. A motor control evaluation of transversus abdominis. Spine (Phila Pa 1976) 1996, 21:2640–2650. In: Smith BE, Littlewood C, May S. An update of stabilisation exercises for low back pain: a systematic review with meta-analysis. BMC Musculoskelet Disord. 2014 Dec 9;15(1):416.

Iovino P, Bucci C, Tremolaterra F, Santonicola A, Chiarioni G. Bloating and functional gastro-intestinal disorders: Where are we and where are we going? World J Gastroenterol, 20(39):14407–19, 2014.

Kisner C.; Colby, L. A. Therapeutic exercise: foundations and techniques. 5th ed. Philadelphia: F.A. Davis Company, 2007.

Lacy BE, Mearin F, Chang L, Chey WD, Lembo AJ, Simren M, et al. Bowel disorders. Gastroenterology, 150(6):1393–1407e5, 2016.

Liebenberg, L. The Relevance of Persistence Hunting to Human Evolution. Journal of Human Evolution. 55, 1156-1159, 2008.

Lieberman, D. E.; Krovitz, G.E.; Yates, F. W.; Devlin, M.; St Claire, M. Effects of food processing on masticatory strain and craniofacial growth in a retrognathic face. J Hum Evol. 2004 Jun;46(6):655-77.

Lieberman DE. A história do corpo humano: evolução, saúde e doença. Editora Zahar, 2015.

Lieberman, D. E. The history of the human body. New York: Pantheon, 2013.

Kardong, K. V. Vertebrates: comparative anatomy, function, evolution. – Fifth Edition, McGraw-Hill, 2009.

Machado, A. Neuroanatomia Funcional. São Paulo: Atheneu, 2ª edição, 2006.

Moore, K. L.; Dalley, A. F. Anatomia Orientada para a Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 5ª edição, 2007.

Moore, K. L.; Persaud, T. V. N.; Torchia, M. G. The Developing Human Clinically Oriented Embryology. 9th Edition. Elsevier, 2013.

Pough, FH; Haiser, JB; Janis, CM. A vida dos vertebrados. 4ª edição, Atheneu, São Paulo, 2008.

Stanghellini V, Chan FKL, Hasler WL, Malagelada JR, Suzuki H, Tack J, et al. Gastroduodenal disorders. Gastroenterology, 150(6):1380–92, 2016.

Tremolaterra F, Villoria A, Azpiroz F, Serra J, Aguad?? S, Malagelada JR. Impaired Viscerosomatic Reflexes and Abdominal-Wall Dystony Associated With Bloating. Gastroenterology, 130(4):1062–8, 2006.

Valentin, B. Autobiografia de um bípede: as cadeias musculares e articulares – método GDS. Florianópolis: Insular, 2009.

Villoria A, Azpiroz F, Soldevilla A, Perez F, Malagelada JR. Abdominal accommodation: A coordinated adaptation of the abdominal wall to its content. Am J Gastroenterol, 103(11):2807–15, 2008.

Villoria A, Azpiroz F, Burri E, Cisternas D, Soldevilla A, Malagelada J-R. Abdomino-phrenic dyssynergia in patients with abdominal bloating and distension. Am J Gastroenterol, 106(5):815–9, 2011.

Villoria A, Serra J, Azpiroz F, Malagelada JR. Physical activity and intestinal gas clearance in patients with bloating. Am J Gastroenterol, 101(11):2552–7, 2006