Estratégias de Prescrição

Oficina FBA

DO INDIVIDUAL AO COLETIVO
 

Por que fazer?

Caso deseje aprender a prescrever a fim de aumentar o engajamento, o aprendizado, mas ainda assim promover uma prática prazerosa de exercícios.

Se você busca aprender modos de oferecer ao praticante aquilo que ele precisa, sem diminuir a aderência com exercícios monótonos e desestimulantes.

O que vou aprender?

Relação entre cognição, movimento e as principais capacidades físicas.
Avaliar, regredir, facilitar e progredir diante dos desafios motores propostos para seu aluno/paciente.
Estratégias cooperativas e lúdicas que aumentam o engajamento dos praticantes e propiciam situações de imprevisibilidade.
Comandos que farão a diferença na percepção do seu aluno, aumentando a autonomia e aprendizado.
São dezenas de movimentos (ou exercícios), tudo para ajudar você a aguçar sua criatividade e aprimorar suas estratégias de prescrição individual e coletiva.

É para mim?

O objetivo principal da Oficina FBA é ajudar o profissional a elaborar um programa de exercícios a partir de uma avaliação física que leva em conta o objetivo e as necessidades do cliente, apoiando-se em evidências científicas, mas sem deixar de se importar com a resposta afetiva ao seu programa (é aí que entra a ludicidade e o prazer: nosso carro-chefe).

Quem irá ministrar a Oficina?

Tudo isso será conduzido ativamente com expertise por profissionais qualificados, como Leka Zappelini, psicóloga e fisioterapeuta, Edma Alves e Raphaela Brandão, profissionais de Educação Física, ambas com vasta experiência no raciocínio evolutivo aplicado ao movimento.
Além de uma aula introdutória com Pablo Santurbano, fisioterapeuta e facilitador do Curso FBA Movimentação.
 

Quando e onde?

 
 
 
 
 

Mini-currículo das Facilitadoras:



ALESSANDRA (LEKA) ZAPPELINI @lekazappelini
Graduada em Psicologia pela UFSC e Fisioterapia pela Udesc, especializada em Gerontologia, com formação em Trabalho com Grupos e Intervenção Cognitiva no Envelhecimento na Universidade Compluentese de Madrid, Método Ivaldo Bertazzo de Educação do Movimento, Pilates pela PhysicalMind Institute, Corrida Ancestral e Funcionalidade BioAntropológica (FBA). Curiosa e entusiasta do movimento, idealizou o Projeto Playmobility e trabalha como educadora do movimento desde 2003, desenvolvendo trabalhos em grupo com foco na estimulação cognitiva e motora.

EDMA ALVES VIEIRA @edmaalves_
Profissional de Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro há 15 anos. Especialista em Fisiologia do Exercício pela UGF, Motricidade Voluntária Funcional (MVF) e em Funcionalidade BioAntropológica (FBA). Foi Coordenadora da rede Bodytech por 5 anos, formando e treinando equipes. Palestrante pelo Conselho Regional de Educação Física – CREF1 há 5 anos. Desde sempre apaixonada por movimento, pessoas, conversar e aprender.

RAPHAELA BRANDÃO @raphabradao
Profissional de Educação Física graduada pela Faculdade Gama e Souza. MBA em Liderança, Inovação e Gestão 4.0 pela PUCRS e Certificada em Funcionalidade BioAntropológica (FBA). Atuou como Master Trainer Nacional na Bodytech, no treinamento de equipes de professores e estagiários com conteúdo técnico relacionados ao movimento de todo Brasil. Host do Podcast Talk da Saúde. Leitora voraz, apaixonada por movimento, hábitos saudáveis e comunicação.
 
 

Detalhes Pedagógicos

 
1Ementa (missão)
Fornecer aplicabilidade para conceitos atuais de controle motor e aprendizado motor, construindo uma linha de raciocínio para utilização de movimentos fundamentais, do individual ao coletivo, em qualquer ambiente. Através de práticas ajudamos outros profissionais do movimento a aguçarem sua criatividade e a ludicidade na prescrição de exercícios.
2Conteúdo programático
1. Tarefas: continuum de cognição
1.1 O que é cognição?
1.2 Aspectos Evolutivos da Cognição.
1.3 Quais são as funções cognitivas.
1.4 Atenção x tarefa x foco externo
1.5 A importância do facilitador: mudança de postura do profissional de movimento.
1.6 A importância da comunicação da tarefa.



2. Avaliação: necessidade, objetivo e motivação
2.1 Entendendo o contexto e avaliação direta e indireta.
2.2 Objetivo: extraindo informações para a prescrição.
2.3 Necessidades: como retirar das informações, testes.
2.4 Entendo as demandas das tarefas.
2.5 Motivação: considerando as preferências do cliente para o engajamento.
2.6 Planejamento: como usar os resultados na orientação de um programa de treinamento.



3. Regressões e progressões para principais tarefas
3.1 As principais capacidades físicas
3.2 Facilitando e progredindo movimentos
3.3 Mobilidade
3.4 Força
3.5 Resistência
3.6 Amortecimento
3.7 Potência
3.8 Agilidade



4. Soluções para pouco espaço e ludicidade - abordagens do individual ao coletivo
4.1 Evolução e Cooperação
4.2 Importância do lúdico e do brincar
4.3 Importância da coletividade nos seres humanos
3Público Alvo
Profissionais de Educação Física e Fisioterapeutas.
4Carga horária
15h/ aula.
Sábado das 8h às 18h e domingo das 8h às 13h.
5Referências Bibliográficas
ANDRADE, V. M., SANTOS, F. H.  & BUENO, O. F. A. Neuropsicologia Hoje. 2. ed. – Porto Alegre: Artmed, 2015.

Barros de Oliveira, Vera; Eduardo, Cecília Maria. O lúdico na reabilitação psicomotora de praxias construtivas: um estudo de caso Boletim Academia Paulista de Psicologia, vol. XXVI, núm. 1, janeiro-abril, 2006, pp. 68-82 Academia Paulista de Psicologia São Paulo, Brasil.

Baddeley, Alan. (1992) Working Memory. Science, 255 (5044) 556-559.

Beilock, S. L., Carr, T. H., MacMahon, C., & Starkes, J. L. (2002). When paying attention becomes counterproductive: Impact of divided versus skill-focused attention on novice and experienced performance of sensorimotor skills. Journal of Experimental Psychology: Applied, 8(1), 6–16.

BUSSAB, V. S. R., & RIBEIRO, F. L. “Biologicamente cultural”. In L. Souza, M. F. Quintal Freitas & M. M. P. Rodrigues (Orgs.), Psicologia: reflexões (im)pertinentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, pp.175-193, 1998.  

Chua LK. et.al. Practice variability promotes an external focus of attention and enhances motor skill learning.Human Movement Science 64 (2019) 307–319.

COSENZA, R. M., FUENTES, D. & MALLOY-DINIZ, L. (2008). A evolução das idéias sobre a relação entre cérebro, comportamento e cognição. Em, D. Fuentes, L. F. Malloy-Diniz, C. H. P. Camargo et. al. Neuropsicologia – Teoria e Prática. São Paulo. Artes Médicas. 

David L. Gallahue, John C. Ozmun, Jackie D. Goodway .Compreendendo o Desenvolvimento Motor - 7ed: Bebês, Crianças, Adolescentes e Adultos. AMGH Editora. 2013.

FATOR, T. (2010). A Teoria psicodramática e o desenvolvimento do papel profissional. São Paulo: Universidade Municipal São Caetano do Sul. Consultado através de http://repositorio.uscs.edu.br/handle/123456789/131, em 20 abril de 2013. 

Godefroy, O. Azouvi, P. Robert, P. Roussel, M. LeGall, D. Meulemans, T. & Groupe de Réfelxion sur L’Evaluation des Fonctions Exécutives Study Group (2010). Dysexecutive Syndrome: doagnostic criteria and validation study. Annals of Neurology, 86(6), 855-864.

Lee-KuenChua et. al. Practice variability promotes an external focus of attention and enhances motor skill learning. Human Movement Science. Volume 64, April 2019, Pages 307-319

LEZAK, Muriel D. Neuropsychological Assessment. 3. ed. New York: Oxford University Press, 1995. 

Lezak, M.D.The problem of assessing executive functions. International Journal of Psychology, 17 (1-4), 281-297.1982.

Malloy-Diniz, L. Fuentes, D. e Cosenza, R.M.. Neuropsicologia do Envelhecimento: uma abordagem multidimensional. Porto Alegre: Artmed, 2013

MARTINS, M.F.; IASI, E.T. (2016) Brincar – como ele desenvolve as competências que preparam para a vida. Em: BAR, M. A. (org). Neurociência e Educação na Primeira Infância: progressos e obstáculos. Brasilia; Senado Federal – Comissão de Valorização da Primeira Infância e Cultura da Paz. 

MORENO, J.L. Psicodrama. Buenos Aires: Paidós, 1974. 

Moriguchi, Y., Hiraki, K. (2013) Prefrontal córtex and executive function in Young children: a review of NIRS studies. Frontiers in Human Neuroscience, 7, 867.

OSORIO, L.C. Grupos: teorias e práticas – acessando a era da grupalidade. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Santurbano P. Evolução e Movimentação Humana: Introdução ao Raciocínio Evolucionário na Saúde e no Movimento, 2017.

Schmidt,Lee Principles of Motor Learning in Treatment of Motor Speech Disorders. American Journal of Speech-Language Pathology 17(3):277-98 · 2008

Schmidt, R. A., & Lee, T. D. Motor control and learning: A behavioral emphasis. Champaign, IL, US: Human Kinetics. 2005

SOARES, Luciana Loyola Madeira – Amar e brincar – Lembrando os fundamentos da condição humana. Revista IGT na Rede, v. 10, no 18, 2013, p. 223 – 227. Disponível em http://www.igt.psc.br/ojs 

STRAUSS, Esther.; SHERMAN, Elisabeth. M. S.; SPREEN, Otfried. (2006). A compendium of neuropsychological tests: administration, norms, and commentary. 3. ed. New York: Oxford University Press, 2006. 1240p. 

TRIGO, C.F. Instabilidade Poética: síntese provisória de uma prática de movimento. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas. Salvador, 2014.

VYGOTSKY, L. (1987). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 

WINNICOTT, D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975 Wulf G. ATTENTIONAL FOCUS AND MOTOR LEARNING: A REVIEW OF 10 YEARS OF RESEARCH.

Wulf G. Attentional focus and motor learning: a review of 15 years. International Review of Sport and Exercise Psychology, 2013

Wulf, G., Weigelt, C. (1997). Instructions about Physical Principles in Learning a Complex Motor Skill: To Tell or Not to Tell…. Research Quarterly for Exercise and Sport, 68(4), 362–367.

Wulf G, Lewthwaite R. Optimizing performance through intrinsic motivation and attention for learning: The OPTIMAL theory of motor learning. Psychon Bull Rev. 2016 Oct;23(5):1382-1414.

ZIMERMAN, D. Fundamentos básicos da grupoterapia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.