Não é nada pessoal…

Não sabemos o que deixa as pessoas mais na defensiva e com raiva: quando sugerimos que o treinamento de endurance pode não ser o melhor para a sua saúde ou quando sugerimos que o consumo regular de paleoguloseimas pode não ser o melhor para a sua saúde. De qualquer forma, todos os artigos ou mensagens de mídia social sobre estes temas são garantias para se ter um número incomum de reações iradas, ameaças de “deixar de nos seguir ” e alegações de que estamos, na verdade, tentando arruinar a sua vida .

Nós certamente não estamos ganhando nenhum concurso de popularidade com isso.

 

A corrida irá matá-lo

Caso em questão: nosso post do Facebook de ontem, uma citação do renomado cardiologista Dr. James O’Keefe . Ao falar na Conferência Internacional sobre Nutrição Humana e Medicina Funcional, Dr. O’Keefe disse: “Se você quer correr uma maratona, corra. Risque da sua lista de desejos. Mas correr uma maratona várias vezes por ano é como escalar o Monte Everest a cada dois meses. Nenhuma pessoa lúcida deveria escalar o Monte Everest para a sua saúde ” .

Tradução: Executar muitas maratonas não é algo que deve ser feito para sua saúde. (Releia acima. Essa é a mais simples e direta tradução).

No entanto, as respostas que recebemos na nossa página de Facebook nos disseram várias coisas: a primeira que as pessoas ouviram foi “não corra maratonas” ou “correr provavelmente vai te matar “. Em segundo lugar, as pessoas achavam que o Dr. O’Keefe estava falando com eles. Pessoalmente. O que transformou a citação em “Você , Jennifer, é estúpida por correr maratonas e você não pode corrê-las mais.”

Nós asseguramos que o Dr. O’Keefe não chegou a essa conclusão porque ele odeia maratonistas. (Para registro, ele mesmo praticou uma grande quantidade de treinamento de endurance.) Ele também não criou estes estudos, porque ele quer arruinar sua vida. Nem ele está se direcionando a você, pessoalmente . E temos certeza que ele não vai chegar a sua casa e roubar seu tênis se ele ouvir que você se registrou para correr uma maratona.

O fato é nossos artigos e posts são compartilhados com apenas uma intenção: fazer você mais saudável. Eles são apoiados pela ciência e/ ou extensa experiência clínica. E o mais importante, eles não são pessoais . No entanto, muitas pessoas respondem a essas coisas, como se os cientistas realizassem o estudo porque eles odeiam você e querem fazer sua vida miserável. Por que isso? Por que existem determinados assuntos que cutucam nossas feridas e nos levar a reagir com tanta força, e tão defensivamente, como se estivéssemos realmente sob ataque?

 

A Melhor Defesa

Existem quatro razões pelas quais alguém pode pegar um pedaço de ciência, uma notícia, ou uma declaração geral , pessoalmente, e reagir defensivamente .

 

O Comportamento está Ligado à Auto-estima

Simples de explicar, difícil de se autoidentificar e ainda mais difícil de mudar. Se você não é “João Corredor-de-maratona (ou João CrossFitter ou João Fisiculturista – ou João Fisioterapeuta)”, quem é você? Se você não usar maquiagem, pintar o cabelo e pintar as unhas, você vai ser menos atraente e menos digna de amor? Se você não quiser (ou não puder) exclusivamente amamentar o seu filho, você é uma péssima mãe?

Se o comportamento em questão torna-se sua auto-estima , é claro que você vai ficar na defensiva e irritado se alguém o questiona.

 

Estar Viciado no Comportamento

Isto poderia até ser o vício no sentido clínico , ou “viciado ” em termos de resposta ao estresse e aos mecanismos alterados de retroalimentação que ocorrem com o estresse crônico. Você não pode parar de correr longas distâncias, porque você é viciado na resposta ao estresse. Você não pode parar de comer pão, porque você é intolerante ao glúten e “viciado “. Você não pode parar de beber café porque você é viciado em cafeína.

Então, quando as pessoas publicam artigos que sugerem que o treino de endurance/ comer pão/ beber muito café pode ser ruim para sua saúde, é claro que você responde defensivamente. Você vê isso como: “alguém está tentando tirar essa coisa que eu simplesmente não posso viver sem.”

Reconhecemos que o comportamento é problemático. No fundo de nossas mentes, já sabemos a tintura de cabelo que usamos é cheia de produtos químicos. Sabemos que as paleoguloseimas que estamos comendo está mantendo nossos dragões de açúcar vivos [???]. Sabemos que correr muito é o motivo de nos lesarmos com tanta frequência. Mas nós não estamos prontos para desistir desses comportamentos ainda.

Quando alguém postar algo que nos faz lembrar o que já sabemos, mas ainda não estamos prontos para mudar, é claro que vou responder defensivamente ou com raiva. Caso contrário, teríamos que admitir que havia um problema, o que não é fácil. (É muito mais fácil ficar com raiva e desviar do foco).

 

Ser um Campeão Público da Ideia

Nos últimos três anos, você disse a todos que quisessem ouvir que dieta com pouco carboidrato, CrossFit ou comer bacon todas as manhãs é a cura mágica para tudo. Todos devem fazer o que você está fazendo. Você basicamente transformou-se num cara “baixocarboidrato-CrossFit-bacon”, uma bandeira que você hasteia alto e orgulhosamente.

Assim, quando alguém desafia essa coisa que você está defendendo há tanto tempo publicamente é claro que você vai defender a sua posição, porque isso já faz parte de sua identidade. ( E mesmo se os seus próprios pontos de vista estejam começando a mudar, admitindo que você poderia ter errado é muito difícil.)

 

Interromper o ciclo

Se você se reconhecer em uma (ou mais) dessas situações, você não está sozinho. Nós apostamos que cada um de nós tem algo que não está disposto a reconsiderar ou desistir, mesmo quando sabemos que não é a coisa mais saudável para nós. Mas reagir defensivamente e com raiva não serve a nenhum propósito útil e corta efetivamente toda a conversa produtiva ou introspecção. Então, da próxima vez que você se ouvir tomando pessoalmente alguma coisa que você ler ou responder com uma reação instintiva de defesa, irritado, siga estas dicas.

 

Verifique-se ali mesmo

Pergunte a si mesmo: “Por que eu estou ficando tão irritado com isso?” Você pode até dizer isso em voz alta, para que o seu interlocutor saiba que você reconhece que o seu comportamento é muito radical para a situação. Tente descobrir por que você está se sentindo atacado, qual dos quatro cenários acima se aplica a esta situação particular. Se você é capaz, permita-se algum tempo e espaço silencioso para a introspecção.

 

Repita a declaração original, sem ser tendencionista

Recue e leia ou repeta a afirmação que te desestabilizou. Provavelmente, você interpretou através de seu próprio filtro, quando não é o que realmente foi dito. (Dr. O’Keefe disse que você não deve correr maratonas pela sua saúde. Ele não disse que correr é estúpido ou que você não pode correr maratonas).

 

Lembre-se, a ciência não é pessoal

Se alguém está citando um estudo, algo que leu em um livro ou algo que ouviu no noticiário, lembre-se destas fontes não estão castigando você pessoalmente. Ninguém financia estudos porque querem que você seja infeliz e os meios de comunicação não estão escolhendo as notícias para você. Se você levar pessoalmente algo que não tinha a intenção de lhe atingir, volte e verifique-e (novamente).

Se você não concordar com a afirmação, deixe a emoção de lado em sua resposta. Há uma diferença entre ficar na defensiva (uma resposta emocional) e debater a questão (a resposta racional). Se você não concorda com a afirmação do Dr. O’Keefe , o motivo pelo qual, mostre pesquisas que se oponham ou compartilhar sua própria experiência, mas não sinta a necessidade de defender a sua própria posição, porque você não está sendo atacado.

 

Ignore até que esteja pronto

Se tudo mais falhar e você simplesmente não está pronto para ouvir ou processar as informações, ignore. Queremos dizer que, se você quiser continuar a correr 75 milhas por semana e você não se importa em saber que ele pode não ser o melhor para a sua saúde, então simplesmente ignore o conselho. Claro, que pode haver consequências (que você deve arcar), mas se você não está realmente em um lugar onde você pode ouvir isso agora, é sua prerrogativa se virar.

 

Finalmente, lembre-se que você pode não gostar do que foi dito, mas só porque você não gosta das informações não significa que não é uma boa informação. Você pode arquivá-la para outro dia e tudo bem. No mínimo , no entanto, quando você se sentir capaz, deixe a experiência solicitar uma introspecção honesta. Por mais difícil que seja, é assim que aprendemos e como podemos crescer.

 

Você pode se relacionar com esses sentimentos? Já lhe disseram que você leva as coisas para o lado pessoal? Será que este artigo deixou você irritado e na defensiva? Nós realmente gostaríamos de ouvir de você. Compartilhe seus pensamentos nos comentários.

 

(Do original “IT’S NOTHING PERSONAL” da publicação do site //www.whole9life.com/ de Dallas & Melissa Hartwig em 30 de setembro de 2013)

 

— Traduzido por Pablo Santurbano

Professor da FBA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *