Os Pilares da Fisioterapia segundo a FBA

A Fisioterapia é a arte de cuidar de outros utilizando meios físicos e engloba conhecimentos de três grandes áreas científicas. A primeira seria a própria Fisioterapia como ciência da saúde, com seu conjunto de conhecimentos, procedimentos e abordagens. Para aplicar tais conhecimentos num ser vivo a Fisioterapia deve abranger o estudo do organismo humano e, portanto, se utiliza de subáreas de ciências biológicas, como Anatomia, Fisiologia, Cinesiologia, entre outras. Por fim, por tratar de seres humanos, a Fisioterapia abrange também aspectos socioculturais, aspectos humanos, fazendo-se necessário o entendimento de algumas ciências humanas como a Antropologia e a Sociologia.

Dito isso, temos, então, três pilares para a Fisioterapia:

Produzi a tabela acima a partir de um documento no qual CAPES, CNPq, MEC se uniram (//www.capes.gov.br/avaliacao/tabela-de-areas-de-conhecimento) a fim de enumerar as áreas do conhecimento no Brasil.

Existe um erro fundamental ao se estudar o ser humano no âmbito da saúde, principalmente no Brasil. Falta uma unificação entre as disciplinas. Não existe uma conexão lógica entre as disciplinas e as grandes áreas do conhecimento no modelo de ensino atual. Isto ocorre porque o conceito que permite esta “liga” seria o estudo da evolução, que é lamentavelmente negligenciado na formação do profissional da área de saúde. Explico-me. O grande conceito unificador da Biologia é a evolução. A evolução faz com que todas as disciplinas biológicas façam sentido, pois é possível entender o motivo que produziu determinada característica. Há muita diferença entre saber a anatomia e a biomecânica do músculo quadríceps e entender a verdadeira razão que fez com que este músculo tivesse tais características.

Só para ter-se uma ideia de como tal falha é profunda, não existe nenhuma subdivisão do conhecimento no documento citado acima que se refira à evolução biológica. Considerando que nem os órgãos responsáveis pelo ensino no Brasil reconhecem de forma adequada o estudo da evolução (diferentemente de outros países) se entende os motivos por trás deste atraso na formação de nossos profissionais. Tal conhecimento deveria ser incluído dentro da disciplina de Antropologia, mais especificamente na disciplina de Antropologia biológica, que estuda os mecanismos da evolução da biologia humana.

A fim de integrar os conhecimentos biológicos para a Fisioterapia desenvolvi a teoria das libertações biomecânicas (LBM), que descrevem os marcos de evolução do movimento em nossos ancestrais. Seu principal objetivo é esclarecer como ossos, articulações, músculos e fáscias surgiram através de milhões de anos de adaptação evolutiva. Este ponto de vista promove um conhecimento único sobre Anatomia, Fisiologia e Biomecânica, fornecendo um entendimento completo do problema do paciente, já que se entende a natural e verdadeira função de qualquer estrutura corporal.

A missão da Fisioterapia BioAntropológica (FBA) é, por meio das LMBs, esclarecer o mecanismo natural qual o movimento humano evoluiu e se desenvolveu, fornecendo um método para a prática da Fisioterapia. O objetivo é entender que a natureza reproduz um padrão, possui uma fórmula básica. As fases do desenvolvimento humano (Ontogenia), tanto embriológico quanto motor, recapitulam as LBMs. Em outras palavras, acontece no ser humano toda uma construção do movimento que trilha um caminho já conhecido pela natureza e esse caminho é a evolução das espécies (Filogenia).

Esta recapitulação natural ocorre inclusive durante o desenvolvimento embriológico. As camadas de músculos também formam-se na mesma sequência que as etapas evolutivas do homem, na mesma ordem das LBMs. Que acontecem sempre de proximal para distal. Vejamos um exemplo. A III LBM corresponde aos nossos primeiros ancestrais terrestres, que, para se locomover no solo, tiveram que liberar as articulações do ombro e da coxofemoral. Na imagem abaixo pode-se ver que o desenvolvimento motor recapitula tal fase, assim como o desenvolvimento embriológico, que forma a camada muscular responsáveis por este desenvolvimento em cima dos músculos responsáveis por movimentos mais primitivos.

As aplicações deste conhecimento na Fisioterapia são inesgotáveis. Este tipo de unificação trás a capacidade de discernir a verdadeira natureza da situação do paciente, que comumente apresenta por trás de seu problema um conflito entre seu corpo, moldado pela natureza para um ambiente natural, e as imposições da vida moderna, como conforto, tecnologia, etc. Mas isto é assunto para um outro artigo.

Publicado originalmente em //fisioterapiapersonalizada.wordpress.com/2012/05/10/fisioterapia-bioantropologica-fba/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *